O dia seguinte em Itália
Director Adjunto da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa
O dia seguinte em Itália
  • Partilhe
Dezembro 14, 2016

A crise política instalou-se em Itália, como era previsível, no dia seguinte ao referendo.

Renzi demitiu-se, deixando todas as incertezas sobre o futuro do Governo Italiano.

O Presidente, Sergio Mattarella chamou Paolo Gentiloni, o até aqui Ministro dos Negócios Estrangeiros, a formar Governo. Uma escolha a que certamente não foi alheio Mateo Renzi.

A nomeação do Primeiro Ministro implica, em todo o caso, a realização de eleições até Fevereiro de 2018. É bem possível que se realizem antes.

Entretanto, a situação do setor financeiro agravou-se. O banco Monte dei Paschi di Siena necessita de intervenção urgente, sob pena de entrar em colapso. O Banco Central Europeu recusou um pacote de ajuda que permitiria salvar o banco durante algum tempo.

A situação da banca italiana – muito preocupante – acelerou o processo político e terá convencido Renzi a abandonar o dramatismo, tornando-se mais pragmático. Ajudou Mattarella a encontrar uma solução de Governo e fê-lo o mais rapidamente possível. Não será irrelevante para esta súbita colaboração de Renzi o facto de ter repetidamente declarado – até no seu anúncio de demissão – que a sua vida política não acabaria ali e que estaria disponível para servir Itália.

Estes sinais apontam para um eventual regresso de Renzi, porventura já nas eleições de 2018.

É aqui que o cenário se complica.

Se tínhamos já três eleições muito difíceis na Europa ao longo do próximo ano – França, Holanda e Alemanha – junta-se agora uma quarta (em finais de 2017 ou início de 2018), que seria desnecessária.

Os sinais estão à vista: as sondagens publicadas esta semana revelam a liderança do partido 5 Stelle de Beppe Grillo.

Ora, o suposto problema interno italiano, sobre as polémicas de uma reforma constitucional mal conduzida, tornam-se nos problemas de toda a Europa.

Porque se o resultado desta crise política for a eleição de Beppe Grillo ou de alguém oriundo do partido 5 Stelle, pode bem suceder que a Itália venha a seguir o caminho do Reino Unido.

E, nesse caso, também ninguém acreditava ser possível. E, nesse caso, também o referendo era evitável. E nestes, como em muitos outros casos, só nos apercebemos do acidente quando ele já aconteceu.

________________

Gonçalo Saraiva Matias é Professor da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa
Partilha o artigo
Enviar o artigo: O dia seguinte em Itália
Comentários

Comentários
Nome *
Email *
Localidade *
Anónimo
O seu comentário *
Está a submeter o seu comentário a esta notícia através do IP . Como não tem o login efectuado, o seu comentário está limitado a 300 caracteres e será alvo de moderação, pelo que não será publicado de imediato. Se comentar depois de efectuar login, beneficia de um conjunto de funcionalidades exclusivas para leitores registados.
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente.

nas redes
Segue Sábado.pt
Revista SÁBADO
Assine a revista SÁBADO
SÁBADO versão Epaper
A minha conta SÁBADO
Edição n.º 659
15 a 21 de Dezembro
Copyright ©
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução, na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media, uma empresa Grupo Cofina Media SGPS, S.A..
nas redes
amigos
118521 amigos
Dispositivos
Obrigado por ler a SÁBADO
;)
     
     
Para poder adicionar esta notícia aos seus favoritos deverá efectuar login
Caso não esteja registado no site do Record, efectue o seu registo gratuito.