Parque das Nações - Início
Oceanário de Lisboa
Atlântico - Pavilhão Multiusos de Lisboa
Conceito e Objectivos, Infraestruturas, Arquitectura e Paisagismo, Arte Urbana, Zonas Residenciais, Centro de Negócios, Comércio e Lazer, Venda de Terrenos
Objectivos, Como Era..., Estratégia Ambiental, Monitorização, Divulgação e Sensibilização

Estação do Oriente, Acessos, Estacionamentos, Alojamento
Espectáculos, Diversões, Eventos, Exposições, Pavilhões e Museus, Espaços Exteriores
Restauração e Lojas
Programa Educação, Rota das Nações, Oficina de Ambiente, Ambiente Divertido, Atelier dos Oceanos
Aluguer de Espaços, Aluguer de Equipamento, Informações Úteis, Serviços ao Visitante, Serviços Externos, Provedoria da Qualidade
Notas de Imprensa, Revista Parque Contactos

 

Pavilhão Praça SONY

Introdução Participantes Recinto Serviços Eventos Edições Foi Notícia

Os Oceanos, Um Património para o Futuro

VídeoA última década do nosso século será marcada pelo grande debate sobre as modalidades de integração do espaço oceânico e dos seus recursos no desenvolvimento sustentado do planeta. Face à crescente e intensiva exploração dos recursos e do meio marinho, torna-se urgente evitar a ameaça de uma destruição acelerada do formidável potencial de vida e de recursos, decisivo para o equilíbrio ecológico global. Por isso, o tema da Exposição de 1998 foi "Os Oceanos, Um Património para o Futuro".

A noção de património foi entendida em dois aspectos - por um lado, tratava-se de valorizar os bens físicos e culturais oferecidos pelos oceanos e, por outro, estava directamente ligada à ideia de conservação e de responsabilidade face às futuras gerações. Deste modo, o discurso da exposição, que pretendeu configurar um novo modo de reflexão numa base científica e ética sobre as perspectivas do futuro, foi articulado em diversas categorias, que se integraram em cada um dos subtemas propostos:

foto_tema6.gif (9457 bytes) foto_tema2.gif (8927 bytes)

Como fio condutor, o tema da EXPO'98 transmitiu a unidade entre os Pavilhões Temáticos e dos participantes, oficiais e não oficiais, tendo estado representado, quer nos espaços públicos, quer na actividade cultural realizada no Recinto da Exposição. Deste modo, o tema esteve sempre presente em qualquer local do Recinto.

Conhecimento dos mares, recursos dos oceanosfoto_tema1.gif (9433 bytes)

  • Da costa para o largo, da superfície para as grandes profundidades
  • As evoluções naturais
  • As redes de vida nos ecossistemas marinhos
  • A dinâmica das correntes e a zona litoral
  • A deriva dos continentes e a formação dos fundos marinhos
  • Os recursos tradicionais (vivos e não vivos)
  • Os recursos do futuro (energias renováveis). Vigilância (monitoring) do mar e troca de conhecimentos
  • Oceanos e desenvolvimento (A empresa marinha do século XXI, conhecimento e know-how)
  • O papel da cooperação internacional

foto_tema3.gif (10175 bytes)Os oceanos e os lazeres

  • Democratização do oceano lúdico e dos lazeres
  • Turismo de massas e turismo cultural
  • Os novos "povos" do mar: Argonautas, Neptunos e Ícaros
  • A tecnologia e os desportos aquáticos: os novos materiais
  • Sonhos e evasões: cruzeiros e paquetes
  • Os safaris marinhos : parques e reservas submarinas
  • Arqueologia subaquática

foto_tema5.gif (9614 bytes)Os oceanos e o equilíbrio planetário

  • Oceanos e mudanças climatéricas (previsão e impactos)
  • Distribuição e fusão dos gelos polares
  • As catástrofes naturais
  • O estado de saúde dos oceanos: a poluição dos mares
  • A gestão integrada das zonas costeiras

foto_tema4.gif (9201 bytes)Os oceanos, fonte de inspiração artística

  • O Mar, paisagem dos pintores (A pintura)
  • Os barulhos do mar e os cantos do homem (humanos)
  • A representação do medo e dos medos marinhos (A religião, os mitos)
  • A forma das ondas (A escultura)
  • As marés cheias e o sopro que anima o corpo (A dança)
  • O mar em cena
  • A iconografia popular (Ex-votos e artesanato)
  • O mar dos poetas e o oceano da História (A literatura, a História)
  • O mar que afasta, o labirinto dos oceanos (A ópera)

Música Oficial

AudioPangea, a única massa terrestre que existia no planeta antes da deriva dos continentes e da sua definitiva separação, é o nome da música oficial da Exposição. Na opinião do seu compositor, Nuno Rebelo, esta é uma «música de encontros»: de culturas, de diferentes instrumentos musicais - tradicionais, oriundos de várias partes do mundo e de orquestra, de interpretações pessoais dos músicos que nela colaboraram. A guitarra portuguesa é, nestes «encontros», uma presença manifestamente importante.

Logotipo

O logotipo da EXPO'98 simboliza o Mar e o Sol. Foi concebido por Augusto Tavares Dias, então director criativo de uma agência de publicidade, que venceu o concurso lançado em 1993 e para o qual foram apresentados 1288 propostas, tendo o processo de selecção decorrido entre Abril e Junho de 1993.

logo_expo_1.gif (3270 bytes) logo_expo_2.gif (2956 bytes)
logo_expo_4.gif (2732 bytes) logo_expo_3.gif (2610 bytes)

Mascote

O Gil foi a mascote oficial da EXPO'98. Concebida pelo pintor António Modesto e pelo escultor Artur Moreira, foi seleccionada de entre 309 projectos. O seu nome evoca um grande navegador português (Gil Eanes que dobrou o cabo Bojador em 1434). De entre 765 propostas, o nome que acabaria por ser escolhido veio da Escola do Ensino Básico de Barrancos, pela mão do aluno José Luís Coelho.

gil_1.gif (7032 bytes) gil_4.gif (6333 bytes) gil_3.gif (9477 bytes)
gil_5.gif (7432 bytes)

© 1998, 2000 Parque EXPO 98, S.A.
Envie os seus comentários para info@parquedasnacoes.pt
Mantido por webmaster@parquedasnacoes.pt
Última actualização em 01 Sep 2000 10:21