Parque das Nações - Início
Oceanário de Lisboa
Atlântico - Pavilhão Multiusos de Lisboa
Conceito e Objectivos, Infraestruturas, Arquitectura e Paisagismo, Arte Urbana, Zonas Residenciais, Centro de Negócios, Comércio e Lazer, Venda de Terrenos
Objectivos, Como Era..., Estratégia Ambiental, Monitorização, Divulgação e Sensibilização

Estação do Oriente, Acessos, Estacionamentos, Alojamento
Espectáculos, Diversões, Eventos, Exposições, Pavilhões e Museus, Espaços Exteriores
Restauração e Lojas
Programa Educação, Rota das Nações, Oficina de Ambiente, Ambiente Divertido, Atelier dos Oceanos
Aluguer de Espaços, Aluguer de Equipamento, Informações Úteis, Serviços ao Visitante, Serviços Externos, Provedoria da Qualidade
Notas de Imprensa, Revista Parque Contactos

 

Pavilhão Atlântico

Introdução O Tema Participantes Serviços Eventos Edições Foi Notícia

Microcosmos de Culturas

Projectado na dupla perspectiva de ser um lugar para um acontecimento efémero por excelência e, na perspectiva da articulação da realização da Exposição com a reabilitação urbana, um futuro centro urbano metropolitano, o Recinto onde decorreu a EXPO’98 possui uma frente ribeirinha com cerca de 2 km de extensão, que acabou por ultrapassar os 70 hectares.

Recinto da Exposição Mundial de Lisboa - EXPO '98

Tratou-se de um Recinto vedado, que abria as suas portas às 09:00 e encerrava às 03:00, com excepção (a partir do primeiro mês de Exposição) das quintas-feiras, sextas-feiras e sábados, em que encerrava às 05:00.

Concebido essencialmente para a circulação pedonal, o desenho do Recinto assentou nas ideias chave de uma estrutura urbana que fosse facilmente memorizável pelos visitantes, numa referência forte ao tema da Exposição e numa imagem articulada para toda a Exposição, em que as diferentes arquitecturas fossem integradas num discurso coerente.

recinto_1.gif (22815 bytes) recinto_2.gif (22815 bytes)
recinto_3.gif (18669 bytes) recinto_4.gif (21990 bytes)

Assim, existem dois eixos ortogonais, um na direcção norte-sul, coincidente com a Alameda, nos extremos dos quais se localizavam as Portas do Norte e do Mar (actual Porta Sul), e o outro, que passa pela Estação do Oriente, na direcção nascente-poente, que tinha como extremos as Portas do Sol (actual Centro Vasco da Gama) e do Tejo.

Para além dos Pavilhões Temáticos, que desenvolviam o tema da Exposição e que se distribuiam na zona central do Recinto, existiam os pavilhões dos diversos participantes, agrupados em cinco áreas: Internacional Norte, Internacional Sul, Organizações Internacionais, Organizações Nacionais e Empresas. A Área Internacional Norte deu lugar às novas instalações da FIL. Parte das áreas mencionadas encontram-se em processo de demolição, para dar origem a outros edifícios.

Existiram também no Recinto espaços de lazer e animação cultural, zonas de restauração e espaços comerciais, serviços públicos, bem como diversos serviços de apoio ao visitante.

A água constituiu o elemento chave da EXPO’98, assumindo funções lúdicas e estéticas, manifestando-se em jogos de água, fontes e lagos, integrados em alamedas, largos, jardins e até ao nível do pavimento, como se de espelhos se tratassem.

Pavilhões e Áreas Temáticas

  • Exibição Náutica
  • Jardins de Água
  • Jardins Garcia de Orta
  • Pavilhão do Conhecimento dos Mares
  • Pavilhão do Futuro
  • Pavilhão dos Oceanos
  • Pavilhão de Portugal
  • Pavilhão da Realidade Virtual
  • Pavilhão da Utopia

Exposições

Por iniciativa de algumas empresas e instituições, a EXPO’98 contou com quatro exposições de carácter permanente.

As Conchas e o Homem
conchas_shell.gif (10463 bytes)A participação da Shell Portuguesa na EXPO ’98 incluiu uma exposição dedicada ao tema das conchas, promovida com o objectivo de mostrar ao público aspectos relevantes dos moluscos e da sua relação com o homem. A apresentação das conchas foi completada pela exibição de um vídeo onde era privilegiada a relação das conchas com o homem, quer como fonte de inspiração artística, quer como símbolo religioso ou moeda de troca. Também a contribuição dos cientistas portugueses no campo da malacologia foi focada nesta exposição, que esteve patente ao público no Edifício de Apoio da Área Internacional Norte. Para a realização desta exposição, a Shell contou com o apoio científico do Centro Português de Actividades Subaquáticas, através do Departamento de Malacologia, dirigido pela Dra. Maria Cândida Macedo, de cuja colecção pessoal proveio a quase totalidade das conchas que estiveram expostas.

Caminhos da Porcelana
foto_porcelana.gif (8254 bytes)Nesta exposição promovida pela Fundação Oriente, estiveram expostas porcelanas chinesas que vieram para Portugal entre o séc. XVI e o séc. XX. A exposição "Caminhos da Porcelana" reportou-se à viagem destas peças entre o Extremo Oriente e as cortes europeias, os salões nobres ou as casas dos burgueses endinheirados. Para a realização da exposição, que estava localizada no Pavilhão de Exposições, recorreu-se a exemplares da Fundação Oriente e a colecções particulares, generosamente emprestadas pelos proprietários.

Mundo Coca-Cola
foto_cocacola.gif (11630 bytes)Esta exposição, que podia ser visitada no Edifício de Apoio da Área Internacional Norte, englobou 40 esculturas, de 1 a 3 metros de altura, concebidas por artistas de vários países e inspiradas na conhecida forma Contour das garrafas Coca-Cola. Portugal marcou presença com uma garrafa de 2 m de altura, inspirada nos azulejos tradicionais e reunindo 450 motivos diferentes, criada por um grupo de finalistas do curso de Design da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Na EXPO'98 alguns países apresentaram pela primeira vez as suas garrafas, como foi o caso da Suíça, Finlândia, Venezuela e Polónia.

Leonardo Da Vinci@expo98 - La Dinamica Dell' Acqua
foto_leonardo.gif (9883 bytes)Uma obra única foi dada a conhecer ao público pela MICROSOFT, Patrocinadora e Marca Oficial da EXPO'98, nesta exposição que esteve patente no Pavilhão de Exposições: o Códice de Leicester, um dos livros de apontamentos de Leonardo Da Vinci, cientista, artista e filósofo italiano do séc. XVI. O Códice terá sido escrito entre 1506 e 1510, depois de Da Vinci, na altura com cerca de 50 anos de idade, ter pintado o seu famoso quadro "Mona Lisa". Os apontamentos versam temas como o estudo da água, da luz e da gravidade. Depois da morte do autor, o Códice esteve desaparecido, tendo sido encontrado em 1960 pelo pintor Giuseppe Ghezzi, na arca de um escultor milanês. Em 1717 foi vendido ao Conde de Leicester, tendo permanecido na posse desta casa nobre até 1980. Antes de ter sido adquirido por Bill Gates, em 1994, fora adquirido pelo magnata do petróleo Armand Hammer.

 

Portas

O Recinto tinha quatro portas de entrada para o público: portas do Norte, do Mar, do Sol e do Tejo. Por estas quatro portas foram contabilizadas 10 128 204 visitas.

Porta do Norte
porta_norte_1.gif (10675 bytes)
Situada no extremo Norte do Recinto, esta porta servia maioritariamente os visitantes que se deslocavam em viatura própria. Da autoria do arquitecto Manuel Tainha, a Porta do Norte dispõe de uma frente a toda a largura da Alameda, com um vão de cerca de 43m de frente, por 12 de profundidade e 2.7m de altura. Nesta porta existiam bilheteiras assistidas e automáticas, junto às quais funcionavam os torniquetes de entrada. Uma vez transpostos os torniquetes, os visitantes dispunham, na Praça da Porta, de uma zona de serviços que incluia, entre outros, Informações, Polícia, WC, Sala de Apoio a Bebés, Objectos Perdidos, Pessoas Perdidas e Depósito de Bagagens.

Porta do Mar
porta_mar_2.gif (13586 bytes)Da autoria dos arquitectos Manuel Graça Dias e Egas José Vieira, e tendo como ex-libris a Torre da Petrogal, esta porta acolheu sobretudo os utilizadores de autocarros de turismo que estacionavam nos parques sul. A Porta do Mar estava também dotada de bilheteiras assistidas e automáticas, junto aos torniquetes de entrada. Para além dos serviços existentes nas outras portas, dispunha de um serviço de Atendimento a Grupos.

Porta do Sol
porta_sol_3.gif (13384 bytes)
Quase 50% do número de visitas contabilizadas pelas quatro portas, corresponde a entradas pela Porta do Sol. Da autoria do arquitecto Daciano Costa, esta porta ocupava uma posição central no Recinto e destinava-se sobretudo a receber aqueles que utilizavam as redes de transportes públicos com destino à Estação do Oriente, junto da qual estava localizada. Dispunha também, em maior número, de bilheteiras assistidas e manuais, junto dos torniquetes de entrada. Para além dos serviços ao visitante existentes nas outras portas, aqui também ficavam localizados o Espaço Criança, uma Unidade Médica de Primeiros Socorros e uma galeria comercial com 900 m2.

Porta do Tejo
porta_tejo_1.gif (9900 bytes)Esta porta, da autoria da arquitecta Lívia Tirone, assegurou o acesso dos visitantes transportados nas carreiras de barco. Situada na Doca, no enfiamento do eixo Nascente-Poente que atravessa o Recinto até à Estação do Oriente, dispunha de serviços ao visitante, bem como de bilheteiras junto aos torniquetes.

© 1998, 2000 Parque EXPO 98, S.A.
Envie os seus comentários para info@parquedasnacoes.pt
Mantido por webmaster@parquedasnacoes.pt
Última actualização em 01 Sep 2000 10:20