Parque das Nações - Início
Oceanário de Lisboa
Atlântico - Pavilhão Multiusos de Lisboa
Conceito e Objectivos, Infraestruturas, Arquitectura e Paisagismo, Arte Urbana, Zonas Residenciais, Centro de Negócios, Comércio e Lazer, Venda de Terrenos
Objectivos, Como Era..., Estratégia Ambiental, Monitorização, Divulgação e Sensibilização
Tema, Participantes, Recinto, Serviços, Eventos, Edições, Notícias
Estação do Oriente, Acessos, Estacionamentos, Alojamento

Restauração e Lojas
Programa Educação, Rota das Nações, Oficina de Ambiente, Ambiente Divertido, Atelier dos Oceanos
Aluguer de Espaços, Aluguer de Equipamento, Informações Úteis, Serviços ao Visitante, Serviços Externos, Provedoria da Qualidade
Notas de Imprensa, Revista Parque Contactos

 

Sound System

Agenda Espectáculos Diversões Eventos Exposições Pavilhões e Museus

O prazer de passear no Parque das Nações

Descubra o ciclo da água ou descanse à sombra de uma árvore exótica. Desde os Jardins aos Logradouros, passando pelo Parque do Tejo, nada ficou ao acaso, nem mesmo as Rotundas e as Vias Envolventes. Tudo se encontra arborizado criando uma relação harmoniosa da cidade com a natureza. Os nossos espaços exteriores têm histórias para contar, jogos para os mais novos, lições para todos. São locais aprazíveis onde apetece estar...

Jardins da Água
Acompanhando um curso de água central o visitante irá deambular por entre várias componentes de uma bacia hidrográfica natural: o glaciar, a corrente, o lago artificial, os meandros e o estuário.
Árvores centenárias e de características raras podem também ser objecto de estudo.

A sequência dos Jardins da Água é na direcção poente-nascente, com a seguinte constituição:

Jardim das Palmeiras
Ligeiramente rebaixado, de modo a aumentar o mais possível a escala deste espaço localizado junto ao Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva. O seu desenho é caracterizado por um canal de água central, por onde corre a água da "Mãe-de-Água", em direcção ao rio;

Pomar do Mediterrâneo
Ligeiramente alteado, de forma a potenciar as vistas sobre o jardim da diagonal;

Lago Ulisses
Normalizado de forma a ser apropriado e usado pelas crianças e pelos mais aventureiros. Assim, o fundo do lago tem um relevo trabalhado, de modo a permitir o seu atravessamento, sem pôr em causa a segurança dos utentes.
Em três momentos sequenciais e repetitivos, com uma duração de dois minutos, primeiro enche, depois vaza e, em seguida, transforma-se numa nuvem de nevoeiro com 2m de altura;

Edifício da Cascata
Dois volumes paralelepipédicos, implantados em ambas as "margens", unidas por uma pérgola de onde cai água. Os dois muros existentes serão o suporte para a intervenção da pintora Fernanda Fragateiro;

foto_jardinsdaagua4.gif (31667 bytes)Jardim Hidráulico
Caracterizado por um canal central, em torno do qual estão dispostas diversas "máquinas" e "brincadeiras" de água.

 

 

 

Jardim das Ondas
foto_jardimdasondas.gif (20594 bytes)Entre o Oceanário de Lisboa e o rio está este Jardim totalmente relvado, onde o terreno, modulado em rigorosas curvas de nível, simula o ritmo do oceano e o fazer e o desfazer das ondas.
Para conceber esta obra, a autora inspirou-se no movimento das águas.

Os Jardins da Água situam-se entre o Teatro Camões e o Oceanário de Lisboa.

 

Jardins Garcia de Orta
Garcia de Orta foi um eminente médico português do século XVI que viveu na Índia durante 30 anos, onde estudou e classificou numerosas plantas asiáticas. Autor de Colóquio dos Simples e das Drogas da Índia é desta forma recordado no Parque das Nações.

O Jardim Garcia de Orta apresenta vegetações características de diversos ecossistemas considerados representativos das principais zonas de proveniência de espécies na época dos Descobrimentos, em zonas ajardinadas, num total de aproximadamente 2500 m2. Pretende, deste modo, proporcionar a observação da natureza e das suas formas vegetais, que a abertura dos oceanos permitiu desde 1498 até hoje.

É composto por seis talhões. De Sul para Norte: Timor, Coloane (Macau), Goa (Índia), S.Tomé e Brasil, Macaronésia (Açores, Madeira e Cabo Verde), África (onde está representada a Ilha de Inhaca - Moçambique e o Deserto de Moçamedes - Angola). Tem, no total, cerca de 2300 plantas de 420 espécies: árvores, arbustos, fetos, herbáceas, trepadeiras, palmeiras e bambús provenientes de Macau, Cabo Verde, Ilha de Inhaca, S. Tomé, África do Sul, Açores, Madeira, Goa, S. Paulo - Brasil e alguns jardins botânicos de Portugal Continental. A maioria das plantas foi doada. Paisagens exóticas que relacionam a aventura das plantas com a descoberta dos oceanos são aqui recriadas, podendo ser vista a realidade da troca de plantas entre continentes feita pelos portugueses durante os descobrimentos.

Os Jardins Garcia de Orta situam-se na Frente Ribeirinha a Norte da Doca dos Olivais.

 

Jardim dos Jacarandás
foto_carstenholler.gif (27947 bytes)A norte do Recinto, no cruzamento da Alameda dos Oceanos com a via de Moscavide, poderá disfrutar de um jardim, que se caracteriza por uma zona arborizada, jogando com situações de desníveis, tradicionais em Lisboa, resolvidas com plantações e muros.

 

Jardins Ribeirinhos

foto_jardinsribeirinhos.gif (28853 bytes)Zona relvada e plana. Estes Jardins localizam-se entre a zona da Vila Expo e do Parque do Tejo.

 

Jardim do Cabeço das Rolas

foto_cabeco_rolas07.gif (18572 bytes)Localiza-se sobre a maior elevação existente no Parque das Nações. É um lugar proeminente da paisagem, definido com várias plataformas relvadas, propiciando passeios aprazíveis e uma vista abrangente do Parque das Nações. Terá sido, em tempos, um ponto de passagem de rolas no seu trajecto migratório, de sul para norte. É neste jardim que se encontra o Centro de Monitorização Ambiental, local de passagem obrigatório para todos aqueles que se preocupam com as questões ambientais.

© 1998, 2000 Parque EXPO 98, S.A.
Envie os seus comentários para info@parquedasnacoes.pt
Mantido por webmaster@parquedasnacoes.pt
Última actualização em 31 Aug 2000 19:11