setembro 01, 2009

BDPRESS - RECORTES DE IMPRENSA #83 - DE NOVO A COMPRA DA MARVEL PELA DISNEY, MAS AGORA COM MAIS ALGUM SUMO, NO PÚBLICO DE HOJE E DE NOVO “OS PASSAGEIROS DO VENTO”, MAS AGORA SOBRE O PRIMEIRO ÁLBUM…

Saíu hoje no Público matéria um pouco mais desenvolvida sobre a compra da Marvel pela Disney, em texto de Ana Rita Faria. Depois o texto de Carlos Pessoa sobre o primeiro volume de “Os Passageiros do Vento” – “A Rapariga no Tombadilho” que sai amanhã!

disneymarvel.jpg

Público• Terça-feira 1Setembro 2009

DISNEY COMPRA A MARVEL EJUNTA À SUA COLECÇÃO ÊXITOS COMO O HOMEM-ARANHA E IRON MAN

Ana Rita Faria

Por 2,8 mil milhões de euros, a Walt Disney vai tornar-se dona das 5000 personagens da Marvel. Muitas poderão vir a entrar nos seus estúdios e parques temáticos

Em breve, as personagens do Homem-Aranha, do Homem de Ferro ou do Incrível Hulk vão figurar ao lado das do velhinho rato Mickey ou da recente Hannah Montana e, talvez, viver novas aventuras a partir dos estúdios da Disney. A empresa norte americana fundada em 1923 por Walt Disney acordou ontem a compra da Marvel Entertainment, o grupo que nasceu como editora de banda desenhada, por quatro mil milhões de dólares (2,8 mil milhões de euros).

O negócio, que terá ainda de ser aprovado pela autoridade da concorrência, transfere para a Disney a propriedade das 5000 personagens da Marvel, entre as quais o Homem Aranha (Spiderman), o Homem de Ferro (IrQn Man), o X-men, o Incrível Hulk e o Quarteto Fantástico, que resultaram em grandes êxitos de bilheteira.

Um conteúdo mais do que apetecível para a Disney e que poderá vir a entrar brevemente nos seus estúdios, parques temáticos e canais de televisão para crianças.

"Acrescentar a Marvel ao portefólio de mercado único da Disney garante uma oportunidade significativa de crescimento a longo prazo, além de gerar valor", afirmou o presidente executivo da Disney, Bob Iger. A empresa poderá não só trazer algumas das personagens mais famosas da Marvel para os 'seus parques temáticos e lojas, mas também produzir e/ou distribuir novos sucessos de bilheteira com base nos super-heróis e histórias da Marvel, a partir dos seus estúdios próprios ou até da Pixar Animation Studios, empresa de animação comprada pela Disney em 2006 e que trouxe à tela do cinema filmes como Toy Story ou Ratatui. Até aqui, os principais filmes da Marvel - Homem-Aranha e Homem de Ferro - foram feitos por outros estúdios.

"A Disney é a casa perfeita para a fantástica colecção de personagens da Marvel, dada a sua capacidade comprovada de expandir a criação de conteúdos e o negócio de licenças", admitiu ontem Ike Perlmutter, presidente da Marvel, que irá permanecer à frente da actividade da empresa e ajudar à integração dos dois negócios.

A oferta de quatro mil milhões de dólares feita pela Disney representa um prémio de 29 por cento sobre o preço de fecho das acções da empresa na sexta-feira e marca a quarta maior aquisição da Disney (a maior foi a compra da empresa de media Capital Cities/ABC por 19,5 mil milhões de dólares). De acordo com a proposta de compra, cada accionista da Marvel vai receber por cada acção que detém um total de 30 dólares em dinheiro, além de 0,745 acções da Walt Disney.

Lucros abalados - Marvel e Disney têm enfrentado quebras nas receitas

Apesar de estarem envolvidas num negócio de vários milhares de milhões. nem a Disney nem a Marvel podem vangloriar-se de estar de perfeita saúde financeira. A crise também não lhes está a passar ao lado.
Nos três meses terminados a 30 de Junho, a Marvel viu os seus lucros cair 38 por cento. para os 29 milhões de dólares, devido sobretudo a uma queda nas receitas geradas pelo licenciamento das suas personagens - 2008 tinha sido o ano dos grandes êxitos Homem de Ferro e O Incrível Hulk.

Já a Walt Disney fechou o segundo trimestre com um lucro de 954 milhões de dólares, menos 26 por cento do que em 2008, devido à descida das receitas dos filmes e dos parques temáticos do grupo.

--------------------------------------------------------------------------------------

passageiros4.jpg

A Rapariga no Tombadilho, primeiro álbum da série Os Passageiros do Vento

A RECRIAÇÃO DA HISTÓRIA

A obsessão do detalhe e o rigor na reconstituição histórica de ambientes são características que fazem desta série um fresco histórico único na banda desenhada europeia

A Rapariga do Tombadilho
Quarta-feira, 2 de Setembro
Por + 6,50 euros

Carlos Pessoa

"O que importa é que uma certa veracidade contribua para a criação do clima pretendido pelo autor". A afirmação é de François Bourgeon, argumentista e desenhador da série Os Passageiros do Vento, e pode ajudar a compreender a obsessão do detalhe que ressalta das aventuras deste fresco setecentista. E bastaria a leitura do primeiro episódio, A Rapariga no Tombadilho, para o confirmar.

É a bordo de uma fragata da marinha real francesa que decorre praticamente toda a acção deste primeiro episódio. Para recriar o ambiente de bordo em todos os seus detalhes e, assim, construir uma atmosfera tão peculiar, o autor inspirou-se nos pianos de uma embarcação de maior envergadura - um navio de duas pontes e 74 peças - a que teve acesso em 1977.

Bourgeon não se limita a tirar partido, com maior ou menor detalhe, dos mapas encontrados ou dos estudos daquele autor para alguns dos espaços interiores. De facto, há uma mais-valia evidente no labor criativo do autor, a quem ficamos a dever uma muito realista reconstituição da câmara de oficiais ou dos porões onde os marinheiros se amontoam em condições degradantes, por exemplo.

Noutros casos, não dispondo sequer de informação específica, Bourgeon não hesita em arriscar na recriação, como acontece na cena. do hospital de campanha.

Na galeria de personagens da série, Isa é a verdadeira heroína. Na melhor tradição da banda desenhada de aventuras, consegue sempre sair airosamente das situações mais difíceis. Tão hábil a manusear a pistola como o fuzil ou a faca, revela-se, no contexto histórico do final do século XVIII, uma mulher livre, para quem a condição feminina não é uma limitação.

A liberdade de acção e de ideias, que exibe com orgulho num mundo de homens, fazem dela uma criatura que seria mais provável nos primórdios dos movimentos de emancipação feminista do século XX. François Bourgeon defende a sua personagem com convicção: "Não me parece de todo impossível que pudesse é encontrar-se a mesma sensibilidade [das feministas] em certas mulheres do século XVIII".

Antes de ser heróica, a história de Isa é trágica: ao trocar a roupa com a sua amiga de infância, Isa torna-se Agnes e esta usurpa-lhe o estatuto e a condição de fidalguia. Ao perder o seu lugar natural no mundo, a heroína é encerrada num convento e será, anos mais tarde, violada pelo seu próprio irmão. Começa então um percurso, quase sempre tenaz e por vezes brutal, para recuperar a identidade perdida.

O resultado final é assim sintetizado por Michel Thiebaut numa obra consagrada à construção da série (Les Chantiers d'une Aventure): "O trabalho do autor começa frequentemente onde acaba a documentação, cuja qualidade é uma condição necessária, mas não suficiente. (...) O seu olhar desloca-se no espaço para melhor nos levar a descobri-lo sob diferentes ângulos. Será necessário sublinhar que um tal modo de ver exige infinitamente mais trabalho do que uma simples sucessão de planos, mais ou menos relacionados, sob um mesmo ângulo?"

O álbum

Hoel, marinheiro do Foudroyant, um navio de guerra francês, julga ver duas raparigas no tombadilho. A curiosidade leva-o a investigar numa zona proibida à tripulação. mas é apanhado e posto a ferros. Recebe a visita de um jovem que é, afinal, Isa uma das duas mulheres instaladas abordo em segredo.

Estabelece-se uma cumplicidade entre ambos e a passageira revela a Hoel que, por brincadeira, trocara de identidade com a sua companheira de viagem quando eram pequenas. O jogo custou-lhe a posição na família e uma severa educação num estabelecimento religioso...

A Rapariga no Tombadilho publicada pela primeira vez na revista Circus nos anos de 1979-80 é o primeiro episódio da série Os Passageiros do Vento. Escrita e desenhada por François Bourgeon.

passageiros7.jpg
Capa da edição da Meribérica (1987).
Imagem da responsabilidade do Kuentro.

passageiros5.jpg

Publicado por jmachado em setembro 1, 2009 07:03 PM | TrackBack
Comentários
Comente esta entrada









Lembrar-me da sua informação pessoal?