agosto 11, 2009

300º ENCONTRO DA TERTÚLIA BD DE LISBOA – 4 DE AGOSTO DE 2009

Os Encontros da Tertúlia BD de Lisboa atingiram, no dia 4 de Agosto, o número redondo dos 300!!!
E acabou por ser um Encontro especial, mais que não seja pela conjugação de vários factores: o Convidado Especial ser o Miguel Carneiro, que é professor do Curso de Banda Desenhada e Ilustração da Escola Superior Artística do Porto, no Pólo de Guimarães (e, como ele gosta de ser referido, membro do colectivo A MULA), a presença de Ruben de Carvalho, jornalista e Vereador da Câmara Municipal de Lisboa (e, como toda a gente saberá, membro do PCP, já agora), e ainda a presença da Maria José Pereira, das Edições ASA. Esta conjugação de factores, serviu para termos um debate mais participado do que o costume aquando do diálogo com o Convidado Especial – especialmente sobre o curso Superior de BD e Ilustração, coisa para que o Miguel Carneiro não estava muito virado, uma vez que queria era falar da obra dele em BD e das iniciativas do colectivo a que pertence, pois claro.

Depois a coisa descambou para um animadíssimo debate no blogue de Geraldes Lino, Divulgando Banda Desenhada, com a entrada – até agora – de cerca de 60 comentários, que podem ser lidos AQUI !!! Nem tudo é coisa de onde se tire algum proveito, muitas ideias mal formadas (especialmente as políticas), muito comentário ressabiado, etc… mas vale sempre a pena passar os olhos por lá.

E, já agora, se Ruben de Carvalho soube da existência da Tertúlia de BD de Lisboa através deste vosso Kuentro, foi através da minha indicação pessoal que ele foi até lá. E gostei da maneira como a coisa correu. Deu, parece-me, um outro nível ao debate, quando o normal na Tertúlia é nem sequer haver debate…

Até a opinião radical do José Abrantes sobre a participação de “políticos” na Tertúlia (no referido debate do blogue Divulgando BD), prolongou o que foi dito no Encontro e deu para alargar a coisa à questão da tolerância de opiniões – tão falada actualmente por causa da directiva da ERC, embora sem grande precisão e sem se saber muito bem de que se estava a falar.

progr300.jpg
Programa do 300º Encontro da TBDL com autógrafo do Convidado Especial no verso.

Miguel Borges Carneiro (Porto, 1980) obteve licenciatura em Artes Plásticas-Pintura, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto - FBAUP, entre 1998 e 2004 .
No último ano de faculdade conheceu Marco Mendes, tendo ambos fundado o colectivo editorial e artístico ''A Mula". Mas já antes, no período universitário, o interesse pela ilustração e banda desenhada se manifestara em Miguel Carneiro. Isso levou-o a editar os fanzines Ex-Man, Bom Apetite, Paint Sucks, Hum!Estou a Ver..., Lamb-Haert, Estou Careca e a Minha Cadela Vai Morrer, Cospe Aqui e Qu'Infemo (este em Jul.09, numa edição do colectivo ''A Mula'), onde voltou a aparecer o "Senhor Pinhão" ou ''Monsieur Pignon" que, juntamente com o "Sr. Frango", representam criações suas de
BD em registo "underground".
O seu talento foi já distinguido com um Grande Prémio de Desenho (''A Mula &
Senhorio", Porto 2009).
Miguel Carneiro tem exercido actividade de docente nas Unidades Curriculares de Projecto II, Processos e Métodos de BD, e Desenvolvimento de Personagens, no Curso Superior de Banda Desenhada e Ilustração, da Escola Superior Artística do Porto Polo de Guimarães, entre 2006 e o corrente ano de 2009.

convidadoesp.jpg

bioconvesp.jpg

CONVIDADO ESPECIAL (biografia)

Miguel Carneiro (Porto, 1980). Vive e trabalha no Porto.
Foi ainda durante a minha licenciatura em Artes Plásticas-Pintura na FBAUP (1998/2004), que se manifestou o interesse pela ilustração, banda desenhada e as artes gráficas em geral. Tendo publicado alguns trabalhos em fanzines por convite, rapidamente comecei a editar as minhas próprias publicações e a procurar outros artistas para nelas colaborar. A par desta experiência de edição fui co-fundador do projecto PÊSSEGOpráSEMANA, uma plataforma artística sediada numa velha casa do centro do Porto. Durante 6 anos (2002-2007), organizamos um conjunto de diversos eventos, desde exposições de artes plásticas a concertos, debates, etc. Em 2004 conheci Marco Mendes e juntos fundamos o colectivo editorial e artístico A MULA, disposto a cruzar sinergias dos diferentes quadrantes ligados à banda desenhada, ilustração, artes plásticas e à edição independente em geral.

http://osgajosdamula.blogspot.com/
http://senhorpinhao.blogspot.com/

convesp.jpg

Só foi distribuída a Folha Volante # 235:

fv235.jpg

Transcrição do texto de João Miguel Lameiras, publicado no Diário As Beiras, de 11 de Julho 2009:

DOS FANZINES ÀS REVISTAS INDEPENDENTES

João Miguel Lameiras

Nos (bons e velhos) tempos em que tínhamos em Portugal um mercado de Banda Desenhada que funcionava normalmente, as revistas eram o meio ideal para os jovens autores apresentarem o seu trabalho ao grande público, ao mesmo tempo que iam evoluindo em contacto com outros colegas mais experimentados, sendo pagos para isso. Outra alternativa, eram os fanzines, publicações amadoras, normalmente fotocopiadas, feitas por fãs e para fãs, que contavam com uma distribuição mais restrita e não pagavam aos colaboradores, e os concursos de BD, organizados pelas Câmaras Municipais, ou outras instituições.

Se o fim das revistas profissionais de BD deixou os fanzines como principal alternativa de publicação para os novos autores, também é verdade que os progressos em termos de impressão (com o aparecimento da impressão digital, que tomou economicamente viável tiragens de 100, ou até menos, exemplares) faz com que muitos destes projectos actuais tenham mais aspecto de revista do que de fanzine.

É o caso, precisamente, dos 3 títulos que motivam este texto, que nos chegaram às mãos na sequência do Festival de Beja e que, apesar das óbvias diferenças que os separam, têm em comum a possibilidade que dão a jovens autores de dar a conhecer o seu trabalho aos potenciais leitores.

Publicado pela Bedeteca de Beja, o nº 6 do fanzine "Venham + 5" não tem a ambição da anterior edição, mas reúne ainda assim um número respeitável de autores (17); entre nomes consagrados de Portugal e Espanha e jovens saídos do Atelier Toupeira. Naturalmente, há óbvias variações de qualidade entre o trabalho de um Pedro Brito, ou de Ken Nimura, e de um Agonia Sampaio, autor que apesar de esforçado, não consegue esconder as suas limitações, mas entre os trabalhos mais interessantes, estão alguns autores da casa, como Susa Monteiro e Paulo Monteiro (apesar das óbvias influências de David B. no trabalho deste último).

Apesar de não contar com os apoios institucionais de "Venham + 5", a revista "Zona Zero" tem um excelente aspecto gráfico, sendo impressa a cores, em bom papel. Para além da presença do inevitável Agonia Sampaio, outro ponto de contacto com "Venham+5" é a falta de um fio condutor que ligue as diferentes histórias, ou de um critério definido na escolha dos colaboradores. O que não impede que, em termos gráficos (já quanto aos argumentos, infelizmente é outra história...) "Zona Zero” apresente alguns trabalhos de muito bom nível, como "ln Útero" de Manuel Morgado e Gustavo Carreira, e "Anomalia", de Fil, e mesmo Hugo Teixeira apresenta-se uns bons furos acima do seu trabalho em "Bang, Bang!". Mas para mim, até pela sua simplicidade, a colaboração mais interessante cabe a Ana Duarte Oliveira.

Finalmente, resta falar do nº 6 da revista "A Peste", orgulhosamente assumida como "a revista de, menor circulação em Portugal e arredores". Optando por um tom satírico-humoristico, de reflexão sobre a realidade circundante, que lembra revistas espanholas, como a "El Jueves", ou "TMeo", “A Peste" é dos três projectos analisados, aquele que tem uma linha editorial mais coerente. E, apesar da Banda Desenhada ocupar menos de um terço da revista, há a destacar o trabalho de Claudino Monteiro, autor da capa, contracapa e da principal história da revista, escrita pelo editor Eduardo D'Orey. Também há espaço para Teresa Câmara Pestana, no seu estilo inimitável, mas o ponto alto da Peste são os textos, alguns de conteúdo bastante discutível, mas bem escritos e, em alguns casos, como "Alta Fritura", de Alexandre Filho-Coelho, muito lúcidos e divertidos.

Cabe agora ao leitor descobrir estes projectos, disponíveis em Coimbra na Livraria Dr. Kartoon, e aos autores cujo trabalho eles ajudam a divulgar.

«Venham + 5» nº 6, Vários autores, Bedeteca de Beja, 64 pags., 5 €.
«Zona Zero» nº 1, Vários Autores, Editor – Fil, 36 págs., 8 €, www.zonabd.net
«A Peste» nº 6, Vários Autores, Editor – Eduardo D'Orey, 34 págs., 1,75 € www.myspace.com/apeste

O Tertúlia BDzine #142 foi do Álvaro e foi especiaaaal:
TBDZ145-1.jpg
TBDZ145-2.jpg
TBDZ145-3.jpg
TBDZ145-4.jpg

E a segunda prancha da série 2 do COMIC JAM:

comicjam2.jpg

Os participantes foram os seguintes:
1- Miguel Carneiro, Convidado Especial da Tertúlia BD de Lisboa, no seu 300º Encontro.
Como sempre tem acontecido, o Convidado Especial é quem inicia a sequência do Comic Jam, criando a primeira vinheta.
2 - José Abrantes
3 - Hugo Teixeira
4 - Machado-Dias (que entrou na coisa à revelia do Geraldes Lino, que tinha os participantes muito bem previstos – por ele, claro, eh, eh…)
5 - Filipe Duarte
6 - Ricardo Cabrita

E tal como está documentado no TBDzine acima reproduzido, continuo de máquina fotográfica em punho, mas agora na versão vídeo. E desta vez, foram 29 minutos de imagem gravada, pelo que foi preciso dividir a coisa por três:

videotert3001.jpg
Vídeo TBDL 300 parte 1

videotert3002.jpg
Vídeo TBDL 300 parte 2

videotert3003.jpg
Vídeo TBDL 300 parte 3

Para verem os vídeos é favor clicar em cima das imagens respectivas.

Publicado por jmachado em agosto 11, 2009 03:38 PM | TrackBack
Comentários
Comente esta entrada









Lembrar-me da sua informação pessoal?