Ronaldo Ballon d'or

- É um feito para o futebol português e uma honra para o país. Talvez estejamos mal habituados com os feitos recentes de algumas individualidades portuguesas e, muito particularmente, da distinção que Figo conseguiu há pouco tempo. Pense-se, no entanto, que entre Eusébio e Figo passaram 35 anos (note-se que até 1995 apenas jogadores europeus podiam ser distinguidos o que facilitava muito as coisas) e que não é certo quanto tempo vai demorar ao futebol português para produzir um “melhor do mundo”.

- Há muito quem não perceba o alcance excepcional que é um país com 10 milhões de habitantes ter 2 jogadores diferentes a receber esta distinção no espaço de uma década. Portugal é um fenómeno de excelência no (altamente competitivo) meio futebolístico e é também uma forma de provincianismo falar de “Figos, Ronaldos ou Mourinhos” como algo normal ou expectável num país com a dimensão de Portugal.

- Suspeito que o país que menos reconhece a justiça do prémio é Portugal. Estamos a ficar mal habituados. Em todo o mundo se vê esta como uma das mais indiscutíveis eleições dos últimos anos (basta lembrar Cannavaro, Shevchenko, Nedved ou Owen).

- Ronaldo pode não ser o jogador que todos mais apreciam (não é o que eu mais aprecio) mas é indiscutível que o seu rendimento foi, de longe, o melhor. Diria que Ronaldo pode não ser o mais genial dos jogadores mas será seguramente o mais valioso, se tivermos em conta a frequência e regularidade do seu rendimento.

- Ronaldo não é um jogador perfeito. Longe disso. Essa é, de resto, a boa notícia para quem chega tão jovem a este nível. A evolução desportiva é um desafio mas o primeiro será a nível psicológico. Creio que está no sitio certo com as pessoas certas mas os últimos tempos não têm deixado bons indícios a este nível. Não é invulgar assistirmos a derrocadas após chegar a número 1. É um clássico da psicologia desportiva, sobretudo nas modalidades individuais.

- Por último, não resisto. Para mim já merecia este título pelo rendimento que teve em 2007 e creio que Kaká terá sido injustamente galardoado nesse ano. A propósito dessa já longínqua discussão deixei, há um ano, a previsão de que Kaká não estaria entre os 3 melhores de 2008. Ficou em 8º.

11 comentários:

Miguel disse...

En 21 años nunca le han dado el premio a un jugador que gane liga y champions, nunca. El premio lo recibe porque es contratacion del real madrid, si no lo contrata el real madrid en ese caso la prensa mediatica pro-realmadrid no lo hubiera apoyado y no hubiera recibido el premio.
No es el mejor del mundo. Cristiano si lo marcas a presion con dos jugadores no se escapa de nadie. Los mejores son kaka y messi. Cristiano esta muy lejos de ellos.
Disculpa no trato de hscerte sentir mal, es solo que difiero de tu opinion.
Saludos.

ogirdoR disse...

A azia de um espanhol (espero não estar a ofender o Senhor). Quanto ao pst o mesmo de sempre: excelente!

Anónimo disse...

Miguel, aparte o facto de não gostares do Real Madrid, até aceito a tua opinião. Mas não concordo. E acho que o Filipe dá a melhor das razões: Cristiano Ronaldo foi o jogador com melhor rendimento; os 42 golos que marcou são absolutamente impressionantes e dizem tudo; teve o melhor rendimento, recebeu o prémio de melhor jogador. Justo.

Um abraço,
RC

Pedro Morgado disse...

Como português e sportinguista fico, naturalmente, duplamente satisfeito! Há um grupo de 5 ou 6 jogadores que podem ser considerados "melhor do mundo". Agora, indiscutível, é que Ronaldo foi o melhor este ano! Como diz o Filipe foi o prémio mais consensual dos últimos ano. Ganhou o campeonato, liga dos campeões, melhor marcador nas duas competições, melhor avançado e melhor jogador das liga dos campeões, bota de ouro...

Pensar que a imprensa madrilena teve algum mérito nesta nomeação é ridiculo. (Não prefeririam o Casillas?)

O Messi é um jogador fabuloso e certamente para o ano será um grande candidato a vencer este trofeu. Este ano Ronaldo não deu hipóteses a ninguém.

Abraço

nuno disse...

Raramente comento mas acompanho religiosamente este blog por ser, na minha opinião, o melhor blog português da especialidade.
Este post é apenas mais exemplo fabuloso da clarividência com que o futebol é tratado por aqui.
Continuação de bom trabalho.

Nuno disse...

"é também uma forma de provincianismo falar de “Figos, Ronaldos ou Mourinhos” como algo normal ou expectável num país com a dimensão de Portugal."

Não podes reduzir a existência de talento numa determinada região à densidade populacional da mesma. É evidente que isso pode implicar alguma coisa, mas há factores culturais, políticos, económicos, sociais, bem mais relevantes. Portugal, embora seja dos países mais pequenos da Europa, é dos que, hoje em dia, melhores talentos produz, a par de Espanha, França, Holanda e Itália. E isto prende-se com questões culturais, sobretudo. É por isso expectável que Portugal tenha mais nomeados para bola de ouro do que Inglaterra ou Alemanha, por exemplo, onde o fenómeno futebolístico é grande e as populações bem maiores que nós. Não há, por isso, nada de provinciano em achar que é normal isto acontecer. Aliás, a definição de provinciano implica precisamente admirar o que é estrangeiro, o que é moderno, assumindo com essa admiração a própria pequenez. Achar que, hoje em dia, Portugal tem condições para ter dois jogadores deste nível é o contrário disso, é considerar que o país, em termos futebolísticos, está na vanguarda. Não há aqui nada de provinciano e, com um pouco de bom senso, sabendo não exagerar a realidade, esperar isto e não muito mais que isto é normalíssimo.

Quanto ao prémio, inteiramente justo. Também não é o meu jogador de eleição, mas na época transacta foi claramente o melhor. Não concordo que tenha sido melhor que Kaká há dois anos, mas o ano passado foi claramente melhor que a concorrência.

Nuno disse...

Quando falo em vanguarda, estou a referir-me, obviamente, à produção de grandes talentos e não à condição financeira do nosso campeonato ou à competitividade do mesmo.

filipe disse...

Nuno,

Não tem a ver directamente com a população mas sim com o número de praticantes e com as condições que lhes são dadas. Aí, como é evidente, estamos longe de ter o potencial de qualquer Alemanha ou Inglaterra e não é por acaso que estes países tiveram vários jogadores designados para melhor do mundo ao longo da história. Refiro a população apenas porque é uma condicionante óbvia para o número de praticantes.
O feito é, como quase todos, composto por um grande mérito de quem trabalha mas também pela felicidade de podermos ter tido estes talentos invulgares para trabalhar.

Quanto ao provincianismo, talvez não tenhas percebido. É uma forma de provincianismo porque só tendo uma visão global é que te apercebes do carácter invulgar da situação. Para quem vive numa realidade fechada e limitada (provinciana) tudo é normal porque não há termo de comparação. Aos olhos de um brasileiro, argentino, alemão, espanhol, italiano, inglês, francês... não pode ser normal. Não conseguir ver as coisas dessa perspectiva é uma forma evidente de provincianismo.

Bruno Pinto disse...

O Ronaldo foi claramente o melhor jogador de 2008 e este prémio não surpreende ninguém, todos estavam à espera. O FIFA World Player também já vem a caminho. A votação foi demolidora e só me espanta como se andou a dizer que Messi, Casillas ou Ibrahimovic eram sérios candidatos, quando foi tão claro que Ronaldo teve um rendimento muito superior a qualquer outro em 2008.

Este prémio já vem tarde, pois já no ano passado Ronaldo foi o melhor e merecia ter arrebatado os prémios concedidos a Kaká. Também na altura disse que Kaká nem ao pódio ía chegar este ano, pois ficou explícito para todos que Kaká ganhou apenas pela carreira na Champions, pois o resto da época foi mediana.

Desagradam-me alguns tiques de vedetismo de Ronaldo dentro do campo (fora dele, não me interessa para nada), mas considero-o, actualmente, o melhor jogador do mundo em termos absolutos e o melhor português de sempre. Oxalá saiba manter-se no topo por longos anos.

João disse...

ó Nuno, pára de procurar clareiras para disparares à figura do Filipe! Que mania...!
Tens sempre de pegar em qualquer coisinha. Mesmo quando a qualidade do post consensualmente elogiada.

XXI disse...

Apesar de gostar mais do Messi (ou até mesmo o Robinho), acho o prémio justíssimo.
O CR foi, de facto, e de longe, o melhor jogador do mundo em 2008.