Ticker Bolsa 1

Ticker Bolsa 2

21:25 Terça, 29 de Setembro 09
Banca

BES e BPI chumbam proposta que impede despedimentos

Económico com Lusa  
27/04/09 16:25


BES e BPI não se comprometeram a renovar os contratos a termo certo.

BES e BPI não se comprometeram a renovar os contratos a termo certo.

Collapse

Comunidade

Partilhe: del.icio.us   Digg   Facebook   TwitThis   Google   Mixx   Technorati  

Os bancos recusaram uma proposta salarial do sindicato dos bancários que garantia não haver despedimentos este ano e um aumento salarial de 0,9%.

A proposta, debatida no final de Fevereiro na Associação Portuguesa de Bancos (APB), foi chumbada porque dois dos bancos presentes nessa reunião, o Banco Espírito Santo (BES) e o Banco Português de Investimento (BPI), não se comprometeram a renovar os contratos a termo certo, avança a "Lusa".

Após um interregno de um mês nas negociações, os três sindicatos de bancários (norte, centro e sul) vão comparecer à próxima reunião com a APB, já amanhã, na expectativa de que esta tenha alterado a proposta inicial de aumentos de 0,9% mas sem qualquer esperança de manter os postos de trabalho dos contratados.

"Iniciámos as negociações com uma proposta de 4,25%, antes do acentuar da crise, mas descemos este valor para 2,9% ao longo da negociação e admitimos a possibilidade de acordar um aumento mais modesto desde que os bancos de comprometessem a manter os trabalhadores contratados a prazo", disse Paulo Alexandre, da direcção do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) à "Lusa".

De acordo com o dirigente do SBSI, o BES anunciou que iria dispensar 190 trabalhadores contratados a prazo, o que tem vindo a fazer à medida que os contratos expiram.

O BCP e o BPI também optaram por não renovar alguns contratos, mas em menor número, pois têm recorrido às reformas antecipadas para reduzir os seus quadros de pessoal.

Os sindicatos não têm a noção do número exacto de trabalhadores contratados da banca que perderam o emprego desde o início do ano mas, para ilustrar a situação, Paulo Alexandre referiu que "em 2008 inscreviam-se em média 30 trabalhadores por mês na caixa dos bancários para requerer subsídio de desemprego e este ano esse número duplicou".

 


Comentários

eu, | 04/05/09 18:04
será que é agora que as acções bpi vão subir??? demasiada espectativa...mmm...


JFB, | 05/06/09 15:43
Aé que enfim, posso falar!!!
O BES um dos maiores bancos nacionais, só neste semestre vai mandar para o dsemprego cerca de 250 contratados, eu já cá estou fora desde o principio do ano, não hove dinheiro para renovação de contracto, pois iria passar par os quadros. Mas curiosamente há dinheiro para renovar contratos milionários " ao Puto Maravilha", que ganha dinheiro a brincar.
Como já foi dito os Sr´s do dinheiro, só veem numeros, nada mais que isso, mas esquecem-se que por detras de cada numero estão pessoas, que muitas delas deixam para tras as familias em prol da carreira.
Posso dizer que, o agradecimento é : o abrir da porta da rua. É o pais que temos e a má gestão que fazem.


Alves, Viana | 27/04/09 16:43
...porque será?!


sm, coimbra | 27/04/09 18:00
Não causa estranheza, pois estes banqueiros só estão bem a ganhar milhões de lucro. As pessoas, para eles não contam, o que conta são os números...
São uns......


JC, Barreiro | 27/04/09 18:55
Se recusam uma proposta que "garantia não haver despedimentos", porque será ? É óbvio que é para ficarem com as mãos livres para poderem DESPEDIR !
Nem doutro modo se poderá entender a não aceitação da respectiva proposta. O que configura uma situação vergonhosa e inaceitável para a Banca, um sector que acumulou, durante anos e anos, lucros fabulosos, que geraram activos vultuosíssimos, os quais nunca seria possível obter sem o concurso dedicado e profissional dos empregados bancários, uma classe que merece dos senhores banqueiros um pouco mais de respeito.
Todos reconhecem que a crise está aí e toca todos os sectores, incluindo a Banca, mas não se queira deitar areia para os olhos das pessoas e fazer crer que a crise que a Banca está a atravessar tem a mesma amplitude e gravidade que a crise, por exemplo, de algumas empresas do Vale do Ave, onde as necessidades de dispensa de pessoal são, por vezes, um imperativo.
Não fica bem aos senhores banqueiros quererem aproveitar a boleia da crise para comprimir mais ainda os quadros dos Serviços Centrais e das Agências, o que se reflectirá, nomeadamente nestas últimas, num péssimo serviço prestado aos seus clientes, visto que os pobres dos empregados não se conseguem desdobrar, apesar de toda a sua simpatia e de toda a sua disponibilidade, no que resulta em esperas enormes no atendimento. Falo na minha qualidade de cliente de duas instituições bancárias.
Esperemos, pois, que prevaleça o bom senso, visto que a Banca não necessita, de todo, de recorrer a estratagemas deste tipo, que só a desprestigia e não se justificam.


k, | 27/04/09 19:38
Reduziam os ordenados dos administradores, em 1% e provavelmente conseguiam manter os trabalhadores a prazo...


eu, bananal | 27/04/09 19:48
os sindicatos devem negociar as tabelas salariais a questão de renovação dos contratos compete ao governo que deveria impor a manutenção dos empregos aos bancos a que dá apoio, seria uma das condiçoes exigidas pelo governo


pedro, | 27/04/09 19:49
É muito vergonhoso que com aumentos de lucros, não aumentem quem mais trabalha para esses lucros!!!!!!!!!!!!


Ricardo, Lisboa | 28/04/09 10:22
Eu falo por experiência, tenho contrato e não sei se vão renovar. Tenho colegas estagiários que a esses quando o estágio acaba nem dizem nada. Pessoas que muito trabalharam e que são precisas onde estão.
Só pensam nos lucros, as pessoas não contam para nada!
Depois um dos presidentes destes bancos portugueses ainda tem a lata de ir a televisão falar de solidariedade social!


Envie o seu comentário

Os comentários enviados serão publicados após aprovação. O DE reserva-se o direito de não publicar comentários considerados como ofensivos ou sem ligação alguma ao artigo em questão

Publicidade

direita
Collapse

Edição Impressa

Close

Edição Impressa do Económico de 2009-09-29

Económico Investidor