A Opinião

Carlos Carvalhas critica "descaramento" do CDS com moção de censura

No comentário semanal na TSF, o antigo secretário-geral do PCP defende que, no caso dos incêndios, "houve responsabilidade direta de quem esteve com as manetes na mão".

Carlos Carvalhas critica o CDS-PP por apresentar uma moção de censura ao governo. Para o antigo secretário-geral do PCP, "há algum descaramento daqueles que tiveram responsabilidade na pasta da Agricultura e que durante todo esse tempo não fizeram nenhuma operação de limpeza do pinhal de Leiria, que na gestão do património da floresta do Estado e das áreas protegidas fizeram cortes brutais".

Carlos Carvalhas lembra que, "entre 2011 e 2015, o orçamento para estas áreas protegidas e património florestal caiu 25%; passou de 82 milhões para 61" e também as equipas de sapadores florestais diminuíram.

O antigo secretário-geral do PCP defende que "houve responsabilidade direta de quem esteve com as manetes na mão". Para Carlos Carvalhas, "é o chamado fazer o mal e depois a caramunha".

Todas as terças-feiras, depois das 9:00, Carlos Carvalhas comenta os assuntos económicos da atualidade.

  COMENTÁRIOS